Blasio “pediu ao povo para jogar ovo e estrume em mim”, diz Bolsonaro

Foto20 Jair Bolsonaro  Blasio “pediu ao povo para jogar ovo e estrume em mim”, diz Bolsonaro
“Eu poderia levar uma ovada na cara. Não posso aparecer nos jornais do mundo todo, em especial no Brasil, com um ovo no meio dos cornos”, disse Bolsonaro em entrevista

O presidente brasileiro chamou o prefeito de Nova York de “fanfarrão, paspalhão e bobalhão”, durante entrevista

No domingo (12), o Presidente Jair Bolsonaro, durante entrevistas à Rádio Bandeirantes e TV Band News, disse que o prefeito de Nova York, Bill de Blásio, pediu ao povo para jogar ovo e estrume nele. Ele havia sido indicado para receber o prêmio “Personalidade do Ano 2019” pela Câmara de Comércio Brasil-EUA na Big Apple, mas foi duramente criticado por Blásio, que também durante entrevista à uma rádio, considerou o dirigente brasileiro “racista, perigoso e homofóbico”. Os comentários do prefeito repercutiram e o Museu de História Natural de Nova York, que inicialmente abrigaria o jantar de gala, cancelou o agendamento do evento no local. Posteriormente, Bolsonaro foi alvo de ativistas defensores dos direitos dos LGBTQ; fazendo com que vários patrocinadores retirassem o apoio à homenagem.

Ainda durante a entrevista, Bolsonaro chamou Blásio de “fanfarrão, paspalhão e bobalhão” e alegou que haveriam pessoas “infiltradas” para fazer “balbúrdia” durante a entrega do prêmio, entretanto, sem citar as fontes.

“Ele estava se organizando lá e falando abertamente para o povo jogar ovo, estrume e coisa em mim”, disse o dirigente brasileiro. “Eu poderia levar uma ovada na cara. Não posso aparecer nos jornais do mundo todo, em especial no Brasil, com um ovo no meio dos cornos por um palhaço, por um ativista desse prefeito não menos palhaço, não menos bobalhão, que é o atual prefeito de Nova York”, desabafou.

Arriscando possibilidades, Bolsonaro disse que, caso Bill de Blasio vivesse no Brasil, ele seria filiado ao Psol. Na entrevista, ele citou que foi muito bem recebido pelo Presidente Donald Trump e, portanto, visitará os EUA em outras oportunidades.

. Impasse chega ao Texas:

A polêmica se o Presidente Jair Bolsonaro deve receber a homenagem “Personalidade do Ano 2019”, concedido pela Câmara do Comércio Brasil-EUA, também já chegou ao Texas. A campanha #TexasCancelBolsonaro está nos assuntos principais do Twitter, acumulando mais de 4 mil mensagens na rede social. O prefeito de Dallas (TX), Mike Rawlings, é a favor dos refugiados, contras as armas, se fantasiou como um dos membros da banda gay Village People e é democrata como o prefeito de Nova York, Bill de Blasio.

“Diga não a Bolsonaro no Texas! Conforme notícias, Bolsonaro estaria recebendo o Personalidade do Ano dele em Dallas. Se você for do Texas ou tem negócios lá, assine a petição #TexasCancelBolsonaro”, postou James N. Green, em inglês, no Twitter.

Após ter anunciado na sexta-feira (3) o cancelamento da viagem agendada à Nova York para receber o prêmio “Personalidade do Ano 2019”, o Presidente Jair Bolsonaro, sem dar detalhes aos jornalistas, disse na noite de segunda-feira (6) que ainda “vai aos EUA”. Ele seria homenageado durante o jantar de gala organizado pela Câmara de Comércio Brasil-EUA, que ocorreu na terça-feira (14).

Figura polêmica e de extrema direita, Bolsonaro venceu as eleições presidenciais no Brasil por ampla margem em 2018. Entretanto, ele também é controverso e tem sido fortemente criticado pelos comentários homofóbicos, racistas e misóginos. Através do Twitter, Blasio celebrou a desistência da viagem de Bolsonaro aos EUA.

“O Jair Bolsonaro acabou de aprender da forma mais difícil que os nova-iorquinos não fecham os olhos para a opressão. Nós denunciamos o preconceito dele. Ele correu. Não estou surpreso. Geralmente, os valentões não aguentam um soco. @jairbolsonaro. Já vai tarde. O seu ódio não é benvindo aqui”, diz a postagem.

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend