Brasileira é degolada pelo companheiro na frente dos filhos em Portugal

Foto14 Helena Anacleto 2 Brasileira é degolada pelo companheiro na frente dos filhos em Portugal
Helena Anacleto, de 35 anos, confidenciou à uma amiga que temia denunciar a violência do companheiro, pois estava em processo de legalização em Portugal (Foto: Facebook)

Segundo amigos, a capixaba Helena Anacleto, de 35 anos, sofria violência doméstica e o crime foi presenciado por duas crianças, de 2 e 6 anos

Na noite de sexta-feira (27), Helena Anacleto, de 35 anos, natural do Espírito Santo, morreu degolada pelo companheiro na residência do casal, na região de Leiria, Portugal. O suspeito fugiu, mas acabou sendo preso em Pombal. As informações são do jornal JN Direto.

O alerta foi dado cerca das 9 horas da noite e as autoridades decretaram o óbito no local, na Avenida Cidade de Maringá, no centro de Leiria. O autor das agressões, também de 35 anos, fugiu do local do crime, mas acabou por ser detido por detetives em Pombal. As autoridades não divulgaram o nome do brasileiro, mas no SiteBarra.com ele foi identificado como Adilson Venâncio, também natural de Água Doce do Norte (ES). O suspeito trabalhava no setor da construção civil, não é o pai das crianças e a vítima trabalhava num café, perto de casa. O homicídio teria acontecido como resultado de problemas conjugais.

Segundo amigos, Adilson morou um tempo em Barra de São Francisco (ES).

A brasileira vivia com os filhos, de 2 e 6 anos, que teriam presenciado a agressão e o homicídio. Helena trabalhava num café no centro comercial São Francisco, onde também morava, em Leiria.

“O presente de Natal da Helena foi um soco no nariz”, relatou uma amiga da vítima, a quem uma vizinha telefonou quando escutou os gritos, no interior do apartamento, onde teria sido assassinada pelo companheiro. A amiga detalhou que Helena era vítima de violência doméstica, fazendo com que ela tenha decidido terminar a relação abusiva. A decisão teria levado o companheiro a cometer o crime.

“A Helena disse-me que ele lhe batia e que tinha medo dele, mas não podia denunciar a situação à polícia porque estava se legalizando”, explicou a amiga, visivelmente abalada. “Ele era muito ciumento. Não queria que ela trabalhasse, nem que falasse com ninguém”, relatou.

Apesar de a amizade entre as duas ser relativamente recente, elas conversavam diariamente no café onde Helena trabalhava, por terem em comum o histórico de violência doméstica. Durante as conversas, elas desabafavam uma com a outra. Quando recebeu a chamada de uma vizinha de Helena, relatando que ela gritava pedindo socorro, a amiga correu ao local, entretanto, o crime já havia ocorrido.

“Há uns dois meses que ele batia nela e ameaçava as crianças, mas ela nunca acreditou que ele a pudesse matar”, disse a amiga ao JN. A investigação está a cargo da Polícia Judiciária de Leiria. Para o local da tragédia foram mobilizados os bombeiros municipais, a VMER e a unidade de psicólogos do INEM, num total de 9 profissionais e 4 viaturas.

. Campanha beneficente:

Foi iniciada no website Vakinha.com a campanha beneficente: http://vaka.me/842461, cujo objetivo é angariar US$ 15 mil que serão utilizados no traslado do corpo de Helena para sepultamento no Brasil. Até a tarde de quinta-feira (2) foram angariados US$ 3.414.

“Ajude a família de Helena Anacleto, assassinada na Cidade de Leiria, Portugal. Diante disso, precisa ser feito o traslado do corpo da vítima para o interior do Espirito Santo, especificamente para Santa Luzia do Azul, na Cidade de Água Doce do Norte – Brasil. Helena deixou dois filhos, um de 2 anos e outro de 6 anos que, no momento, se encontram em um abrigo da Cidade de Leiria a espera dos tios Eliel Anacleto e Eleni Anacleto (irmãos), conhecidos como Leléo e Lelei para resgatá-los. No entanto, a família é simples e não tem condições financeiras para o custeio do traslado, bem como para trazer as crianças para sua família no Brasil, que fica entorno no valor de R$ 60.000,00 (sessenta mil reais), valor este que será usado para o traslado do corpo, passagens e demais gastos. Nunca esperamos que tragédias venham acontecer conosco, mas cada um de nós está sujeito a algo inesperado e quando se refere à morte temos o desejo de ao menos poder enterrar nossos entes queridos de forma digna. Quando têm crianças desamparadas envolvidas no caso é algo ainda mais preocupante, pois são inocentes que não sabem se defender sozinhas e infelizmente terão seus destinos comprometidos, caso os tios não puderem ir busca-los. A família está desesperada e pede que quem puder doar qualquer quantia. Ajude esta família nesta situação desesperadora. Segue o link da notícia da tragédia https://www.jn.pt/justica/mulher-morre-em-leiria-vitima-de-violencia-domestica-11657047.html”, diz a postagem no Vakinha.com.

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend