Brasileiro indocumentado é preso em blitz na Nova Inglaterra

Foto14 Blitz na Interstate 95 Brasileiro indocumentado é preso em blitz na Nova Inglaterra
Patrulheiros realizaram blitz em vários trechos da rodovia Interstate 95

A operação foi realizada entre sexta-feira (15) e domingo (17) na Interstate 95, em New Hampshire

As blitz realizadas por agentes da Patrulha da Fronteira (CBP) nas rodovias nos estados de Maine e New Hampshire estão chamando a atenção de ativistas defensores dos direitos dos imigrantes. Semana passada, ao longo da Interstate 95, na região remota ao norte do Maine, o CBP informou que realizou 9 confiscos de drogas e a prisão de 2 pessoas em situação migratória irregular nos EUA. Durante a operação de 11 horas, os agentes perguntaram aos motoristas os locais de nascimento deles e o status migratório deles.

O órgão federal, um dos vários envolvidos na crescente crise humanitária envolvendo 2.300 separadas dos pais na fronteira com o México, informou através de um comunicado, na quarta-feira (20), que a blitz no Maine foi “uma prova de impedir que as quadrilhas tirem proveito dos sistemas de transportes existentes para viajar no interior do país”.

A CBP informou que a Corte Suprema confirmou a autoridade do órgão de perguntar o status migratório dos motoristas; mesmo que não haja suspeitas. Os agentes utilizam treinamento e questões para tomar decisões sobre a residência ou cidadania dos viajantes.

“Os viajantes possuem o direito de permanecer calados”, disse através de um comunicado. “Os viajantes que cooperarem passam rapidamente pelo processo; ao menos que os patrulheiros suspeitem que eles estejam violando a lei federal. Os viajantes que se recusarem a cooperar, são encaminhados à área de vistoria secundária para que os agentes realizem perguntas adicionais para determinar o status migratório dos viajantes”.

De posse da autoridade de conduzir batidas migratórias a “distância razoável” de 100 milhas (161 Km) de distância da fronteira dos EUA e litoral, a CBP realizou semana passada uma blitz na Interstate 95, nas proximidades de Woodstock, em New Hampshire. A operação de sexta-feira (15) a domingo (17) resultou na prisão de 5 imigrantes indocumentados naturais do Brasil, China, Equador, El Salvador e México; assim como o confisco de drogas, segundo a CBP.

A American Civil Liberties Union (ACLU) de New Hampshire informou que já ocorreram diversas blitz realizadas pela CBP ao longo da I-93 em Woodstock, cerca de 90 milhas (145 Km) de distância da fronteira com o Canadá, desde o verão do ano passado. Não haviam sido realizadas esse tipo de blitz há mais de 5 anos.

“A polícia migratória nesse país está mais corajosa”, disse Gilles Bissonette, diretor legal da ACLU de Newe Hampshire, depois que 17 pessoas foram presas durante a operação realizada no final de semana do feriado Memorial Day. “Nós estamos vendo isso não somente nacionalmente, mas bem aqui em New Hampshire”.

As ações do CBP na região foram criticadas no início de junho, quando um funcionário de uma companhia de ônibus no Maine disse a um grupo de passageiros que eles deveriam ser cidadãos americanos para embarcar. Um patrulheiro perguntou o status migratório dos passageiros. Em maio, as ACLU do Maine, New Hampshire e Vermont apresentaram uma ação judicial contra o Departamento de Segurança Nacional (DHS), o CBP e o Departamento de Imigração (ICE), na tentativa de obter os dados sobre as blitz, batidas nos ônibus e prisões nos tribunais. Os ativistas acreditam que o objetivo dessas ações foi a prisão de imigrantes.

“Os moradores na Nova Inglaterra têm o direito de saber o que as autoridades federais estão fazendo em suas vizinhanças e que elas sejam responsabilizadas por essas ações”, disse a advogada Lia Ernst.

 

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend