Brasileiro que roubou loja de remessas em NJ é preso em aeroporto

Foto17 Luis Carlos Santos Ligorio  Brasileiro que roubou loja de remessas em NJ é preso em aeroporto

Foto17 Luis Carlos Santos Ligorio 1 1 Brasileiro que roubou loja de remessas em NJ é preso em aeroporto
Luís Carlos Santos Ligório será trasladado ao Condado de Burlington (NJ), onde ouvirá oficialmente as acusações que pesam contra ele (Foto: Facebook)

O catarinense Luís Carlos Santos Ligório foi detido quando tentava embarcar no Aeroporto Internacional em Massachusetts 

Na tarde de segunda-feira (14), Luís Carlos Santos Ligório, natural de Florianópolis (SC), roubou a loja de remessas de dinheiro Via Brasil, na cidade de Riverside. Ele teria telefonado para o estabelecimento antes e perguntado sobre a cotação do dólar. Aproximadamente, às 6:30 pm, ele chegou ao local e, aparentando nervosismo, disse ao atendente, identificado como Jean, que aguardava a chegada do patrão dele. Aproveitando o momento em que a porta que leva ao escritório da loja estava aberta, ele entrou e ameaçou o funcionário com uma faca; pedindo todo o dinheiro. As informações são do jornal Brazilian Times.

O funcionário ainda tentou reagir, mas foi coagido com uma faca e, então, entregou uma bolsa contendo milhares de dólares ao ladrão, que saiu correndo do local. O empregado ainda chegou a sair à rua atrás do ladrão, mas parou a perseguição depois que Ligório atirou a faca em direção a ele. Jean telefonou imediatamente para a dona da loja e as autoridades locais foram acionadas.

Graças às câmeras de vigilância instaladas no local, Luís Carlos foi identificado e as imagens dele entregues à polícia. Juliana Souza, sócia da Via Brasil, disse ao BT que a polícia informou-lhe que o brasileiro foi detido na quarta-feira (16), a caminho do aeroporto internacional em Massachusetts. No momento da prisão, os policiais encontraram cerca de US$ 6 mil em posse do fugitivo.

Na segunda-feira (21), a equipe do BV conversou, via telefone, com Luciana Machado, sócia de Juliana. Ela relatou que a última remessa feita por Luís Carlos no estabelecimento foi em setembro de 2018. Ele trabalhava na construção civil e possui a residência legal permanente (green card), após ter se casado com uma cidadã norte-americana.

. Remessas enviadas:

Luciana detalhou que Ligório enviou duas remessas, uma de US$ 7 mil e outra de US$ 7.400, em nome dele para a Caixa Econômica Federal. Uma 3ª remessa, no valor de US$ 5.800, ainda estava sendo processada, portando, bloqueada antes de chegar ao destino. A conta bancária dele na Caixa Econômica foi congelada. Tais remessas foram efetuadas na cidade de Everett (MA) e, na ocasião, o brasileiro teria dito que havia “comprado uma fazenda no Brasil” e, portanto, “não se importaria” de pagar uma tarifa mais alta para enviar o dinheiro.

. Mentiras:

Ela acrescentou que, em 2015, Luís Carlos teria roubado US$ 7 mil de um casal que ele compartilhava o apartamento em Massachusetts. Na ocasião, ele teria dito às vítimas que a filha dele sofria de câncer e que por isso havia pegado o dinheiro. A quantia não teria sido devolvida. Em outra ocasião, ele havia pedido dinheiro para poder comparecer ao funeral da mãe dele no Brasil, embora ela ainda estivesse viva.

“Não foi um momento de fraqueza ou loucura. Ele é uma pessoa mentirosa e calculista. Ele disse até que a mãe tinha morrido e a filha estava gravemente doente para conseguir dinheiro”, disse Machado. “Ele vivia pedindo dinheiro a todo mundo”.

. Aumento da segurança:

Luciana relatou que esse é o primeiro tipo de incidente que aconteceu no estabelecimento e, em decorrência disso, ela e a sócia aumentaram a segurança no local. Entre as medidas adotadas estão o reforço na fechadura da porta quer leva ao escritório e a instalação de um sistema de alarme conectado diretamente à delegacia de polícia local. Ela evitou comentar o valor total do prejuízo e espera recuperar pelo menos uma parte do dinheiro roubado.

As sócias foram informadas que Luís Carlos Santos Ligório será trasladado ao Condado de Burlington (NJ), daqui a aproximadamente uma semana, para ouvir formalmente as acusações. A promotoria pública local ainda não especificou quais seriam essas acusações enquanto aguarda a chegada do réu à jurisdição.

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend