Paranaense desaparece na Ferry Steet

Na última quinta-feira, 9 de fevereiro, a intercambista Karla Vicentini, de 22 anos, natural de Goioerê, interior do Paraná, deixou um clube noturno em companhia de um indivíduo desconhecido e nunca mais foi vista. O incidente aconteceu aproximadamente às 4 horas da manhã na Ferry Street, principal via de acesso no Bairro do Ironbound, onde se concentra a comunidade brasileira na cidade de Newark, em New Jersey.

Segundo Maria Eduarda Ribeiro, natural de Brasília – DF, com quem Karla dividia um apartamento também na Ferry Street, a apenas 2 quarteirões do clube, ambas haviam chegado aos EUA no início de janeiro deste ano através de um programa de intercâmbio cultural e foram alocadas em Dover – NJ. Após trabalharem alguns dias como atendentes em uma lanchonete naquela cidade e aprenderem inglês, Karla, Eduarda e estudantes de outras nacionalidades resolveram deixar a área remota em que viviam e buscar emprego em regiões mais urbanizadas. O programa de intercâmbio tem a duração de 5 meses, após esse período os jovens devem retornar a seus países de origem.

Assim que chegaram à Newark, Vicentini conseguiu emprego como garçonete em um restaurante na esquina das ruas Jefferson e Chestnut, enquanto Ribeiro foi contratada como barmaid em um clube noturno na Ferry Street, o qual ela solicitou a omissão do nome.

“Em 9 de fevereiro, foi o meu primeiro dia de trabalho, a Karla saiu às dez horas da noite do restaurante e foi pegar as chaves do apartamento comigo. Ela chegou acompanhada de um homem, de mais ou menos 40 anos, ele pagou para ela cerca de 50 dólares em bebidas e whiskey, então, ela ficou muito bêbada. Quando deu 2 horas da manhã, ela me disse que iria em casa trocar de roupa e que depois voltaria, então, esse cara de 40 anos deixou a Karla em casa, ela trocou de roupa e depois voltou”, detalhou Maria Eduarda.

Conforme ela, logo após retornar ao clube, Karla conheceu um indivíduo norte-americano, com idade entre 32 e 35 anos, 1.80 de altura, caucasiano, pesando cerca de 100 quilos, olhos azuis, barba por fazer e cabelos um pouco grisalhos (salt & pepper). Mesmo sem falar inglês, Karla conversava com o indivíduo e aceitava a bebida que ele lhe comprava.

“Ele não falava uma palavra de português e esse cara estava pagando muita bebida para ela, mais do que o anterior. Ele gastou entre 80 a 90 dólares de whiskey para ela, aí depois ela começou a cair no bar, ficou muito bêbada, então eu peguei ela pelo braço, coloquei-a num canto, com a ajuda de um segurança, só que eu estava trabalhando e não podia ficar de olho nela”, disse Eduarda.

Instantes depois, Karla avisou sua amiga que sairia com o indivíduo e que voltaria logo para abrir a porta do apartamento.

“Entre 3:30 am e 3:40 am, ela me avisou que ia sair com esse cara e que depois ela iria em casa abrir a porta para mim, que no máximo em dez minutos ela estaria em casa e abriria a porta para eu entrar. A gente ainda brigou cerca de uma hora, quer dizer, ainda segurei ela lá por quase uma hora e ela saiu às 4 e meia. Tentei segurá-la para não ir, mas ela acabou indo”, disse Maria Eduarda.

“Nesse intervalo tentei falar com o cara, ele não falava uma palavra de português e ela não falava uma palavra de inglês. Ela estava sem documentos, sem dinheiro, nada. Ela saiu e eu fiquei trancada do lado de fora, inclusive tive que pedir a um policial para esperar comigo. Então, tive que ligar para um amigo do pai dela, a gente estava morando na casa dele, para abrir a porta, aí verifiquei que ela não estava lá, pensei que fosse coisa de adolescente sem cabeça”, explicou Ribeiro.

No sábado seguinte, 11 de fevereiro, Maria Eduarda dirigiu-se ao Departamento de Polícia de Newark, na Market Street, onde preencheu o boletim de ocorrência nº CC#06-14648 – TT#06-2319. Segundo ela, Karla possui 1.70 de altura, estava trajando calças jeans, bota marrom e um top branco, além de apresentar a tatuagem de um tigre (vermelho e amarelo) na barriga e a imagem de um anjo de asas abertas nas costas.

Maria Eduarda informou que a família de Karla Vicentini já foi comunicada no Brasil sobre o seu desaparecimento e que seu pai está tentando conseguir o visto de turista para entrar nos Estados Unidos. Qualquer informação que leve ao paradeiro da jovem desaparecida pode ser enviada através do telefone(510) 684-2873 ou ao Departamento de Polícia de Newark.

Related posts

Comentários

Send this to a friend