Orlando Vicentini: “Ajudem a encontrar minha filha”

O FBI e a Policia Federal do Brasil estão investigando o caso que comoveu a população cidade de Goioerê, no Paraná

O desaparecimento de Carla Vicentini, de 22 anos, mobilizou a população da cidade de Goioerê, norte do Paraná, onde familiares e amigos estão prestando solidariedade aos pais da jovem e procurando ajudar de alguma forma a localizar a jovem desaparecida desde o último dia 9 de fevereiro, em Newark, New Jersey.

Depois que o Brazilian Voice noticiou na semana passada o desaparecimento da jovem, meios de comunicação nos Estados Unidos e Brasil deram destaque ao fato e uma corrente de solidariedade foi formada com a intenção localizar Carla.

“Estamos muitos tristes e chocados… a gente nunca espera uma notícia desta maneira. A filha da gente sai e depois não dá mais notícia… é muito cruel. Estamos colocando nas mãos Deus, só Ele poderá elucidar este caso”, desabafou Orlando Vicentini, 51 anos, pai da jovem.

Desde sua casa, na cidade de Goioerê, Orlando faz um apelo emocionado para quem souber de alguma informação que possa ajudar na descoberta do paradeiro de sua filha.

O próprio Departamento de Policia de Newark divulgou foto da jovem, com dados pessoais, para todos os meios de comunicação da região, solicitando assistência da população e informando que até o presente estágio das investigações, não há evidencia de tratar-se de uma negligência ou imprudência da jovem, portanto é provável que uma outra pessoa a esteja privando de liberdade.

Falando à reportagem do Brazilian Voice desde sua casa em Goioerê, Orlando Vicentini disse que depois que foi publicada a reportagem no BV, vários pessoas entre amigos, políticos e imprensa estão oferecendo ajuda para que sua filha possa ser localizada o mais rápido possível.

“Só não fui para os Estados Unidos porque recebi conselhos de amigos que residem lá, de que não adiantaria nada a minha presença. Estão fazendo tudo o que é possível para localizar minha filha. Tenho a cidadania italiana e se precisar, vou até lá”, garantiu Vicentini.

Desconhecido

Toda essa triste estória começou no último dia 9 de fevereiro, quando Carla deixou o clube noturno Adega Bar and Grill, em companhia de um indivíduo desconhecido e nunca mais foi vista. O incidente aconteceu na madrugada de sexta-feira, 9 de fevereiro, na Ferry Street, principal via de acesso no Bairro do Ironbound, onde se concentra a comunidade brasileira na cidade de Newark, em New Jersey.

Segundo Maria Eduarda Ribeiro, natural de Brasília – DF, com quem Carla dividia um apartamento no Ironbound, ambas haviam chegado aos Estados Unidos no início de janeiro deste ano através de um programa de intercâmbio cultural e foram alocadas em Dover – NJ. Após trabalharem alguns dias como atendentes em uma lanchonete naquela cidade e aprenderem inglês, Carla, Eduarda e estudantes de outras nacionalidades resolveram deixar a área remota em que viviam e buscar emprego em regiões mais urbanizadas. O programa de intercâmbio tem a duração de 5 meses, após esse período os jovens devem retornar a seus países de origem.

Mudança para Newark

Assim que chegaram à Newark, Vicentini conseguiu emprego como garçonete em um restaurante na esquina das ruas Jefferson e Chestnut, enquanto Ribeiro foi contratada como barmaid em um clube noturno na Ferry Street, no coração do Ironbound.

Qualquer informação pode ser fornecida ao próprio Departamento de Policia de Newark (973) 733-4336.

Related posts

Comentários

Send this to a friend