Corte de Imigração de Newark é a 6ª em acúmulos de casos

Foto25 Martelo da justica Corte de Imigração de Newark é a 6ª em acúmulos de casos
O Colorado apresenta o tempo de espera mais longo, quase 3 anos. Em New Jersey, a média de espera é de 27.5 meses nos casos

Newark ocupa o sexto lugar entre as 60 Cortes de todo o país, com 27.228 casos pendentes

As fileiras de bancos de madeira na pequena sala de audiências da Juíza Annie S. Garcy, de 62 anos, está lotada, quase sem espaço para sentar. Os casos são julgados rapidamente. Alguns dos presentes que esperam falar com a magistrada não falam inglês. Alguns têm advogado; outros não. Eles são chamados, um após o outro, numa sessão que inicia de manhã cedo e termina no final da tarde; sem tempo para almoço.

Quase todos esses casos, entretanto, demorarão meses para ser resolvidos e, algumas vezes, vários anos. Annie, natural do Texas, parece desculpar-se quando marca a próxima audiência para um indivíduo que não ocorrerá antes de março de 2018. “Você vai esperar um longo tempo nesse caso”, disse ela.

A audiência ocorreu na Corte de Newark, no 12º andar do Edifício Federal Peter W. Rodino e tornou-se cada vez mais comum. Os tribunais que lidam com casos migratórios estão abarrotados de casos acumulados em todo o país, com atrasos cada vez maiores, informou o Departamento de Justiça.

Até o final de janeiro, haviam 542.646 casos pendentes, segundo Escritório Executivo de Revisões Migratórias do Departamento de Justiça (EOIR), e os números continuam a aumentar. Nova York, o tribunal mais movimentado do país, com 72.344 casos acumulados. Newark está em 6º lugar entre as 60 Cortes, com 27.228 casos pendentes, não incluindo os mais de 740 casos envolvendo a possibilidade de deportação imediata de presos no Centro de Detenção de Elizabeth.

“O nosso volume de casos é relacionado diretamente às atividades do Departamento de Segurança Nacional (DHS)”, disse o porta-voz do EOIR.

Apesar da explosão repentina de detenções depois da posse do Presidente Donald Trump, o atraso nos tribunais já ocorre há certo tempo. Muitos deles são reminiscentes, durante a administração Obama, das milhares de famílias e crianças desacompanhadas centro-americanas que tentaram entrar clandestinamente nos EUA. Entretanto, ativistas defensores dos direitos dos imigrantes acreditam que a situação piore, depois que Trump virou seu foco nos residentes indocumentados.

“É um sistema que já está notoriamente congestionado”, disse Lori Nessel, diretora do Centro de Justiça Social do Curso de Direito da Universidade Seton Hall.

A média de espera nos casos migratórios é de quase 2 anos nos EUA. O Colorado apresenta o tempo de espera mais longo, quase 3 anos. Em New Jersey, a média de espera é de 27.5 meses.

Nessel, que leciona leis migratórias, disse que, com a nova administração disposta a endurecer ainda mais as leis vigentes, ampliando a esfera de casos considerados prioridades para deportação, o sistema tende a ficar ainda mais congestionado ou forçar mais gastos com juízes adicionais, novos centros de detenção, a contratação de novos agentes do ICE, que ela alertou “terá custos incríveis”.

Apesar de haverem 374 vagas autorizadas atualmente para juízes de imigração, somente 300 delas estão ocupadas e uma determinação federal impede a contratação extra.

Related posts

Comentários

Send this to a friend