Democratas descartam acordo com Trump após anúncio de prioridades na imigração

Foto17 Donald Trump Democratas descartam acordo com Trump após anúncio de prioridades na imigração
Em meados de setembro, o Presidente Trump disse que trataria os Dreamers com “compaixão”

As exigências mantêm o impasse com relação a um acordo bipartidário e o futuro dos Dreamers

A Casa Branca simplesmente empurrou de volta o debate migratório para onde tudo começou: Impasse. Na noite de domingo (8), a administração Trump emitiu uma lista de prioridades que inclui a libertação de verba para a construção de um muro ao longo de toda a fronteira com o México e o combate aos menores desacompanhados que fogem da violência na América Central, uma lista de desejos que efetivamente afastam as esperanças dos congressistas democratas de que Trump finalmente possa ser convencido a conseguir apoio bipartidário numa de suas controversas promessas de campanha.

Em setembro, Trump disse que ele e os líderes democratas estavam próximos de finalizar um acordo para proteger os jovens indocumentados que imigraram aos EUA ainda na infância. Na ocasião, ele até deixou transparecer que não deixaria a insist6encia anterior de patrocínio do muro ao longo da fronteira com o México atrapalhar as negociações. “O muro virá depois”, disse ele em 14 de setembro.

Desde então, apoiadores dos jovens indocumentados, conhecidos como “Dreamers”, foram encorajados pela possibilidade de uma virada no Capitólio, uma vez que até republicanos avaliaram projetos de lei que os protegesse da deportação. Esse entusiasmo implodiu no final de semana quando a Casa Branca, com o Departamento de Justiça, Comércio e Segurança Nacional, apresentaram 18 propostas diferentes que limitam a imigração legal e ilegal. Essa lista reflete a plataforma política de Trump com relação à imigração durante seus comícios. Ela pede a contratação de mais agentes para prenderem indocumentados e mais juízes de imigração para deportá-los. Além disso, a lista pede o financiamento da construção de um muro ao longo de toda a fronteira com o México para manter os indocumentados fora do país e uma reforma migratória que limite o número de vistos e green cards emitidos todos os anos.

Roy Beck, presidente do NumbersUSA, um grupo que defende a limitação da imigração legal e clandestina, disse que a lista de exigências da Casa Branca “certamente reforçará e até entusiasmará” os membros.

Aqueles que achavam que Trump estava avançando na imigração ficaram sem saber o que fazer. Eles o ouviram falar sobre imigração e, portanto, pensaram que ele estivesse disposto a negociar com o Partido Republicano (GOP), pois ouviram o Presidente dizer que trataria os Dreamers com “compaixão” e deu a entender que até os ajudaria sozinho, caso o Congresso falhasse em encontrar uma solução. Ainda é possível que Trump cumpra sua promessa, pois ainda não comentou sobre as exigências e a Casa Branca pode considerar esses princípios como o início de negociações que poderão durar vários meses.

Devido à posição de Trump com relação à imigração, os ativistas voltaram ao ponto de partida quando ele assumiu o cargo, ou seja, completamente incertos de qual seja a posição do Presidente com relação ao tema.

“Seria ingênuo demais da nossa parte depender de um presidente quimicamente desequilibrado para conquistar algo”, disse Frank Sharry, diretor executivo da America’s Voice, um grupo defensor dos direitos dos imigrantes. Ao invés disso, Sharry e outros ativistas depositam as esperanças no Congresso. Com o prazo de dezembro para a votação do novo orçamento, eles esperam que uma coalisão de democratas pressione a favor do DREAM Act, misturado com republicanos que queiram proteger os Dreamers, seja o suficiente para chegar a um acordo razoável. Então, dependerá de Trump decidir se tal tipo de acordo será aceito.

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend