Após chacina, senadores discutem pornografia ao invés de armas

Foto2 Vigilia ma Marjory Stoneman Douglas High School Após chacina, senadores discutem pornografia ao invés de armas
Parentes, amigos e a população em geral realizaram uma vigília em memória das 17 vítimas mortas na Marjory Stoneman Douglas High School

Por votação, legisladores estaduais decidiram que a pornografia representa um risco maior à população que as armas de assalto

Na terça-feira (20), enquanto os sobreviventes abalados da chacina que ocorreu numa escola secundária na cidade de Parkland (FL) assistiam, a Câmara dos Deputados Estaduais da Flórida, de maioria republicana, se recusou a discutir o controle na venda de armas de assalto. Imagens divulgadas na TV mostram estudantes chorando na galeria sendo confortados por amigos ou presentes. Outro jovem sobrevivente do massacre expressou raiva “indescritível” no Twitter.

No final do mesmo dia, os legisladores discutiram um projeto de lei que declara a pornografia um risco para a saúde pública. A proposta, a qual pede melhorias na “educação, pesquisa e mudanças políticas para proteger os residentes na Flórida, especialmente adolescentes, da pornografia, foi aprovada por votação oral”, publicou o jornal Tampa Bay Times.

“Alguém já teve que sepultar o filho por causa de pornografia?” Questionou o Deputado Carlos Guillermo Smith (D), que redigiu um projeto de lei que visa a proibição da venda de armas de assalto e carregadores de alta capacidade. A Deputada Kionne McGhee (D) tentou pôr em discussão a proposta sobre o controle de armas, mas perdeu na votação de 36 a favor e 71 contra.

Os legisladores estaduais ignoraram o projeto de lei em menos de uma semana depois que um atirador de 19 anos armado com um rifle de assalto AR-15 assassinou 17 pessoas na escola Marjory Stoneman Douglas High School. O sobrevivente Anthony Lopez, de 16 anos, disse ao jornal The New York Times que os legisladores foram “desumanos” por não discutirem o projeto de lei. A estudante Emma Gonzalez, que tem discursado publica e poderosamente em apoio ao controle na venda de armas desde a chacina, reagiu com fúria no Twitter. Já outros, também no Twitter, criticaram os legisladores na Flórida por focalizarem em pornografia ao invés de armas.

“Eu gostaria que isso fosse brincadeira”, postou no Twitter a ativista Kelly Ellis.

 

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend