Ex-indocumentado, cineasta brasileiro relata experiência em curta-metragem

Foto23 Carro Ex indocumentado, cineasta brasileiro relata experiência em curta metragem
O curta-metragem, “Carro”, de 2018, será exibido no Global Cinema Film Festival de Boston (MA)

Gustavo Rosa, ex-aluno da Somerville High School (MA), viveu indocumentado nos EUA durante 13 anos

Após viver indocumentado durante 13 anos nos EUA, o cineasta Gustavo Rosa,  residente em Medford (MA), exibe seu curta-metragem, “Carro”, de 2018, no Global Cinema Film Festival de Boston, no Studio Cinema, em Belmont, entre 22 e 24 de março. Trechos da obra foram filmados na antiga Somerville High School (SHS), que o brasileiro cursou enquanto ainda estava em situação irregular no país.

Entusiasmado, Gustavo relatou que a experiência vivida pela família dele ajudou a montar a obra. “O personagem principal do filme (Josué) é um imigrante indocumentado recém-chegado do Brasil e seu plano é apenas ganhar um pouco de dinheiro e depois voltar ao seu país”, disse Rosa ao jornal Brazilian Times. “Mas os planos mudaram, como costuma acontecer com os imigrantes, e ele começa a fazer conexões (contatos) neste país e a se tornar parte da comunidade”.

O personagem Josué é um faxineiro e treina para trabalhar como zelador na Somerville High, onde o filme inicia. Quando limpava os corredores, ele vê uma sala de aula bilíngue (brasileira/portuguesa), entra e encontra um livro do famoso poeta Fernando Pessoa.

“O poema conta a história de um homem que está chateado porque todos ao seu redor conseguiram tudo, mas ele não. Ele é mais perseguido, as coisas sempre parecem dar errado para ele e o poema o atinge profundamente”, disse Rosa ao BT. “Ao invés de voltar para o Brasil (como era o plano), ele decide comprar um carro e assumir o controle de sua vida”.

Uma vez que a Somerville High School está sendo demolida, o cineasta considera o filme uma forma de eternizar a imagem do prédio. “Você pode ter estado no colégio nos últimos tempos antes de ser demolido e o filme será um memorial do prédio e da própria escola”, explicou.

Fugindo do convencional, Gustavo escolheu filmar a obra usando em grande parte atores inexperientes que foram imigrantes indocumentados durante parte de suas vidas. Apenas o ator que interpreta o personagem principal, Josué, é profissional.

“O filme é construído em torno de imigrantes indocumentados na área de Boston (MA), e não importa quão bom seja o ator; eles nem sempre conseguem entender as nuances”, relatou. “O chefe de Josué é interpretado pelo meu pai; ele é uma pessoa muito carismática. Acabei de criar um cenário e pedir-lhe para melhorar os eventos que realmente aconteceram com ele. Isso traz uma realidade extra para isso; são pessoas reais que viveram essas experiências, falando sobre suas próprias vidas”.

Curiosamente, o filme não possui trilha sonora ou muito ruído de fundo durante quase toda a exibição. A mudança ocorre quando, Josué parece mais solitário, ele coloca um CD de música brasileira no aparelho de seu carro. “Isso lhe dá a capacidade de voltar ao Brasil por alguns minutos enquanto ele está sentado sozinho”, detalhou Rosa.

O “Carro” foi exibido em festivais em todo o mundo e recentemente escolhido pela HBO Latino, onde estreará em 1º de junho. Enquanto isso, Rosa está tentando arrecadar recursos para terminar o filme “A Restauração” produzido em Lima, no Peru. Rosa detalha que se trata de uma comédia sombria, desenvolvida com diretores de cinema peruanos, que envolve questões relacionadas à gentrificação e desenvolvimento urbano.

. Arrecadação de verba:

O filme, em espanhol, ainda está em fase de pós-produção, portanto, foi iniciada a campanha beneficente: goo.gl/9799XD para a arrecadação de verba. O objetivo é angariar US$ 20 mil.

Ainda com relação ao “Carro”, Gustavo está confiante que os moradores de Somerville (MA) e membros da comunidade em geral se interessem em assistir a obra. “Meu objetivo é mostrar às pessoas, independentemente de seus pensamentos sobre imigrantes, que os imigrantes têm vidas ricas e lutam diariamente. A maioria está apenas tentando trabalhar duro e construir sua vida”, concluiu Rosa.

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend