Go-Go bar de Os Sopranos é obrigado a fechar em NJ

Foto20 Clube Satin Dolls 775x1024 Go Go bar de Os Sopranos é obrigado a fechar em NJ
O atual clube Satin Dolls serviu de palco para o “Bada Bing” na série Os Sopranos

Autoridades proibiram a venda de bebidas alcóolicas no clube Satin Dolls

No domingo (17), o icônico clube de strip-tease em New Jersey que serviu de palco para a série os sopranos, que na ficção se tornou o “Bada Bing”, abriu pela última vez. O clube noturno Satin Dolls, em Lodi, foi obrigado a fechar em decorrência de uma ordem judicial emitida pelo Promotor Público Geral Christopher Porrino e a Divisão de Controle de Bebidas Alcóolicas (ABC). O A.J.’s Gentleman Club, cujos os donos são os mesmos, também foi obrigado a fechar. Ambos os clubes noturnos deverão vender ou transferir suas licenças para a venda de bebidas alcóolicas até 3 de janeiro de 2018, informou Christopher.

Anthony Cardinalle, condenado de fazer parte de uma organização criminosa, é proibido de possuir licença para a venda de bebidas alcóolicas. Entretanto, as autoridades alegam que ele continuava a administrar os clubes noturnos apesar disso. Além disso, as autoridades alegam que grandes quantidades de dinheiro entravam e saíam dos estabelecimentos sem serem declaradas ao imposto de renda.

Outros membros da família Cardinalle tentaram manter a propriedade das licenças e administrar os negócios, alegou Porrino. Em 20 de novembro, David Rible, diretor do ABC, assinou a ordem que barra qualquer envolvimento de Cardinalle com o clube.

“Os Cardinalles quiseram manter os negócios em família, mas não é assim que funciona. Os abusos contínuos das leis de Controle de Bebidas Alcóolicas não podem e não serão tolerados”, disse Porrino. “A atividade ilegal foi glorificada no ‘Bada Bing’ no mundo fictício de Os Sopranos, mas isso não tem espaço no New Jersey atual. É hora de fechá-los”.

Em maio de 2017, a ABC acusou o clube noturno de prostituição e promover atividades lascivas. Uma ordem de consentimento emitida em 2011 pela companhia administrada pelos Cardinalles, a Rota 17 Entertainment, determinou que Luceen Cardinalle, que estava listada como proprietária, passasse as licenças de venda de álcool para a filha dela, Loren. Os Cardinalles ainda têm que pagar US$ 1.25 milhão em multas.

 

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend