Iniciado processo de brasileiros acusados de clonarem cartões de crédito

Foto22 Antonio Pedro de Oliveira Neto e Felipe Trovo Pena 1024x571 Iniciado processo de brasileiros acusados de clonarem cartões de crédito
Antônio Pedro de Oliveira Neto (esq.) e Felipe Trovo Pena (dir.) permanecerão detidos durante o julgamento

Felipe Trovo Pena e Antônio Pedro de Oliveira Neto foram presos em flagrante em Ohio

Na quinta-feira (18), os réus Felipe Trovo Pena, de 27 anos, e Antônio Pedro de Oliveira Neto, de 26 anos, foram formalmente acusados de conspirar para cometer fraudes usando cartões de crédito. Quando foram presos, eles estavam com mais de 250 cartões de crédito e débito bancário falsos e quase US$ 140 mil em dinheiro. O comunicado emitido pela Procuradoria Pública do Distrito Norte de Ohio informou que os brasileiros também enfrentam a acusação de uso e posse de cartões falsos.

. Entenda o caso:

Desde 14 de novembro, Pena e Neto estão detidos na Penitenciária do Condado de Trumbull, Ohio, após dois funcionários de uma agência do Cortland Bank ajudarem a polícia e o FBI a identificar e localizar Felipe Pena, de 27 anos, e Antônio Oliveira Neto, de 26 anos. Eles são acusados de utilizarem um aparato eletrônico para sacar ilegalmente dinheiro de caixas eletrônicos. Esse tipo de equipamento é usado para roubar informações de cartões de débito e credito das pessoas que utilizam os caixas eletrônicos e outros leitores de tarjas magnéticas.

Os investigadores receberam a denúncia depois que um caixa que opera o “drive through” na filial West Liberty Street Courtland Bank percebeu que o vídeo da câmera dela, instalada no caixa eletrônico, estava preto. Outro funcionário da agência percebeu que dois dias antes alguém havia coberto a lente da câmera enquanto sacava dinheiro com cartões clonados, segundo documentos apresentados no tribunal. O mesmo funcionário reparou quando isso aconteceu novamente em 14 de novembro e utilizou a câmera do telefone celular para fotografar Felipe e Antônio no interior de um veículo que estacionou próximo ao caixa eletrônico quando as lentes foram cobertas.

. Polícia identifica suspeitos:

A polícia encontrou o carro dos brasileiros num posto de gasolina a cerca de 2 milhas de distância e prenderam Pena e Neto. “Eles estavam olhando para a câmera na hora certa e, portanto, conseguiram agir rapidamente”, disse Melanie Christie, diretora do Departamento de Segurança do Cortland Bank, com relação aos dois funcionários.

Christie acrescentou que a foto tirada com o aparelho celular foi fundamental, mas que o banco também acessou o vídeo do caixa eletrônico antes e depois que a lente havia sido coberta com fita adesiva preta. “Enquanto eles encostavam o carro, antes de fazerem isso, nós conseguimos captar algumas imagens”, comentou. “Isso ajudou a agência a identificar os dois indivíduos que a polícia havia detido”.

Os saques ilegais atribuídos ais dois suspeitos não afetaram nenhum correntista do Cortland Bank e Christie detalhou que essa é a primeira vez desde 2009 que ela tem conhecimento que algo parecido tenha ocorrido naquela filial do banco.

Depois que os brasileiros foram presos, os investigadores vasculharam um espaço de armazenamento (storage) alugado pelos dois suspeitos em Cleveland (OH) e encontraram aparelhos de clonagem de cartões no interior, Tais aparatos são colocados na entrada onde são inseridos os cartões nos caixas eletrônicos para criar uma face falsa, detalharam documentos federais. Eles são geralmente fixados no lugar com o uso de cola.

Os supostos golpistas clonaram e arquivaram informações digitais contidas nas tarjas magnéticas de cartões de crédito e débito de clientes legítimos. Uma parte típica do esquema é acoplar uma mini câmera no caixa eletrônico para filmar os clientes quando digitam os códigos secretos. Outra artimanha comum é a manufatura de cartões de débito falsos com as informações roubadas.

. Cartões clonados:

Os investigadores encontraram 280 “gift cards” (cartões magnéticos que são dados de presente), cartões de crédito e débito em branco, assim como US$ 139 mil divididos em pilhas de US$ 5 mil. Os agentes vasculharam o aparelho celular de Pena e descobriram fotografias do brasileiro num quarto de hotel organizando o dinheiro em pilhas.

As autoridades acrescentaram que o telefone continha vídeos de pessoas sacando dinheiro de caixas eletrônicos e cobrindo as lentes das câmeras com fita adesiva. O aparelho também tinha fotos de recibos da Western Union de remessas de dinheiro feitas para o Brasil. O Cortland Bank detalhou que os saques ilegais feitos nos caixas eletrônicos vieram de contas correntes do banco PNC em Cincinnati (OH).

A audiência preliminar de Felipe e Antônio perante o Juiz George Limbert ocorreu em 22 de dezembro, em Youngstown (OH).

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend