Policiais envolvidos em rede de prostituição podem receber pensões

Foto16 Arelis Peralta e Ludwig Paz Policiais envolvidos em rede de prostituição podem receber pensões
O casal Ludwig Paz (dir.) e Arelis Peralta (esq.) são acusados de administrarem uma rede de bordéis com a ajuda de Giancarlo e Louis

Os agentes Giancarlo Raspanti e Louis Failla trabalham há mais de 20 anos na NYPD

Dois agentes do Departamento de Polícia de Nova York (NYPD), acusados de ajudar a proteger uma rede de prostituição liderada por um detetive aposentado, qualificam para receber pensões volumosas, caso se aposentem antes da possível condenação. O policial Giancarlo Raspanti, acusado de conseguir “descontos” em bordéis administrados pelo ex-detetive Ludwig Paz, e o Sargento Louis Failla possuem mais de 20 anos de carreira no NYPD, o que faz com que eles qualifiquem para benefícios integrais na aposentadoria.

Giancarlo, que entrou para o NYPD em 1996, ganhou US$ 135.333 durante o ano fiscal de 2017, enquanto Failla, que foi contratado em novembro de 1997, ganhou US$ 132.661 no mesmo período. Os agentes do NYPD com o mínimo de 20 anos atuando na função tem as pensões garantidas, a menos que sejam condenados de crime enquanto estiverem na folha de pagamento da Prefeitura.

Entre aqueles que se beneficiavam do esquema estão os “policiais mafiosos” Louis Eppolito e Stephen Caracappa, que foram condenados em 2006 de cometerem 8 homicídios quando trabalhava secretamente como assassínio de aluguel para a família do crime organizado Lucchese. Caracappa morreu na prisão em 2017, mas Eppolito ainda recebe pensão enquanto cumpre prisão perpétua numa penitenciária em Tucson (Ariz.).

Na quinta-feira (13), Raspanti e Failla estão entre os 7 policiais liberados sem fiança depois de alegarem inocência com relação à acusação de se envolverem na rede de prostituição liderada por Paz e a esposa dele, Arelis Peralta, que também é acusada de administrar uma rede ilegal de jogos lotéricos. As filhas dela, Jarelis Guzman, de 22 anos, e Arisbel Guzman, de 20 anos, também foram acusadas de fazer parte do esquema e liberadas sem fiança. Ambas as irmãs viviam com os pais em Queens Village, onde elas e dois homens com as cabeças cobertas foram vistos saindo da casa da família num Mercedes-Benz sedan e jipe Range Rover branco, na manhã de sexta-feira (21). Um vizinho disse que a família “parecia estar sempre alegre” e que o Range Rover “chamava a atenção e as crianças paravam para admirar” quando Paz o trouxe para casa.

“Eu simplesmente assumi que ele era vendedor de carros”, disse ela. “Você nunca sabe como as pessoas conseguem dinheiro”.

Paz e Peralta estão presos sob a garantia de US$ 525 mil ou fiança de US$ 325 mil e garantia de US$ 400 mil e fiança de US$ 150 mil, respectivamente.

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend