Receita Federal investiga imóveis de brasileiros nos EUA

Foto24 Receita Federal Receita Federal investiga imóveis de brasileiros nos EUA
75% desses imóveis foram pagos em dinheiro vivo

A RF identificou 2.1 mil brasileiros que compraram casas e apartamentos em Miami (FL) em 2015

A Receita Federal (RF) descobriu que milhares de contribuintes brasileiros possuem imóveis no exterior, mas não declaram esses bens nas declarações de imposto de renda no Brasil. Somente em Miami (FL), o Fisco identificou 2.1 mil brasileiros que compraram casas e apartamentos na cidade em 2015, através de pessoas jurídicas, sem declará-los. As autoridades brasileiras destacaram o fato de que 75% dos imóveis adquiridos foram pagos à vista, ou seja, “in cash”. As informações são da Agência Brasil.

Segundo Lágaro Jung Martins, subsecretário do Departamento de Fiscalização da RF, esses proprietários que não declararam seus imóveis comprados no exterior serão alvo de fiscalização a partir de agosto, mês em que termina a data limite de adesão ao Regime de Regularização Tributária.

“Identificamos, em um processo de mineração de dados, que 2,1 mil pessoas adquiriram imóveis em Miami por meio de empresas limitadas, sem declarar essas aquisições em 2015 à Receita. Chamou a atenção da gente e das autoridades norte-americanas o fato de que os brasileiros, embora sejam a segunda nacionalidade que mais adquire imóveis em Miami, são os que compram os imóveis mais caros”, disse Martins na terça-feira (18). O pronunciamento foi feito durante a apresentação do balanço das fiscalizações feitas pela Receita no primeiro semestre de 2017.

. O que os imigrantes acham?

Não ficou claro se a ação por parte da RF afetará os imigrantes brasileiros que vivem e adquirem a casa própria nos EUA, mas que não declaram o imposto de renda no Brasil. A equipe de reportagem do BV conversou com alguns brasileiros, comerciantes e empresários que moram e possuem estabelecimentos na cidade de Newark e perguntou o que eles pensam sobre essa possibilidade de tributação.

“Eu não acho justo tributar o imigrante que adquiriu a casa própria nos Estados Unidos e a paga com tanto sacrifício. Vale lembrar que, enquanto paga as prestações, o imóvel ainda pertence ao banco e não ao mutuário. Por outro lado, se você é rico ou possui boas condições financeiras no Brasil, vive lá, comprou imóveis no exterior para investimento ou veraneio e declarou impostos no país, então, a história é diferente”, comentou Eliane Vieira, proprietária de imóvel e residente no bairro do Ironbound, em Newark.

“Também temos que levar em consideração os corruptos e milionários que utilizam os paraísos fiscais para esconder fortunas e sonegar impostos”, acrescentou ela. “Estes sim é que deveriam estar na mira do Leão (Receita Federal) e ser penalizados e não os trabalhadores de baixa renda”.

“É difícil. Não é justo. Não tem como, pois você já paga impostos aqui (EUA). A não ser que você não pagasse aqui e pagasse lá (Brasil), mas isso seria inviável. É que nem as pessoas que moram em New Jersey e trabalham em Nova York, elas não pagam impostos em dobro por isso”, disse José Moreira, proprietário do restaurante Casa Nova e morador nos EUA. “É uma situação complicada”.

. Malha fina:

A identificação desses bens foi possível, pois o Brasil faz parte do grupo de 100 nações participantes da Convenção multilateral para a Troca de Informações entre Países.

“Os países que já aderiram a essa convenção trocam informações de forma automática. Se algum brasileiro tiver patrimônio em algum desses países, a Receita Federal no Brasil recebe essa informação de forma automática. Podemos afirmar que muitos dos países que eram paraísos fiscais já aderiram ao programa. Ou seja, para fins tributários, o mundo passa a ser um mundo sem fronteira”, concluiu Martins.

 

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend