Tia ganha guarda das filhas de brasileira morta pelo marido nos EUA

%name Tia ganha guarda das filhas de brasileira morta pelo marido nos EUA
Cíntia e a irmã, Ana Cordeiro, de 41 anos, assassinada no Maine em 13 de dezembro de 2018 (Foto: GoFundMe.com)
Foto13 Rondon Athayde Tia ganha guarda das filhas de brasileira morta pelo marido nos EUA
O brasileiro Rondon Athayde, de 46 anos, ainda aguarda julgamento no tribunal do Maine (Foto: HPD)

Ana Cordeiro, de 41 anos, foi brutalmente assassinada no Maine e deixou 2 filhas de 3 e 5 anos

Em 13 de setembro de 2018, a arquiteta Ana Cordeiro, de 41 anos, natural do Rio de Janeiro, tornou-se mais uma vítima fatal da violência doméstica na cidade de Hartford, Maine. O acusado do assassinato é o também brasileiro Rondon Athayde, de 46 anos, que ainda aguarda julgamento. O casal tem uma filha de 3 e outra de 5 anos, que teriam presenciado o crime e foram transferidas para a custódia de uma família provisória (Foster, em inglês). Os brasileiros moravam numa região rural do Maine e, entre os planos de Ana, estava projetar a casa da própria família. O crime abalou os vizinhos na área.

Na luta para conseguir a custódia das sobrinhas, a professora de Artes Visuais, Cíntia Cordeiro, deixou o bairro Vila Emil, na cidade de Mesquita (RJ), e viajou para o Maine. Uma vez no estado, ela apresentou um pedido formal de transferência de guarda junto ao tribunal local e venceu, em 4 de setembro. A audiência final de adoção das crianças está agendada para 14 de novembro.

. Campanha beneficente:

Enquanto lutava pela guarda das sobrinhas na justiça dos EUA, Cíntia enfrentou despesas, portanto, iniciou no website GoFundMe.com a campanha beneficente: https://www.gofundme.com/f/wh3qm-in-memory-of-ana, cujo objetivo é arrecadar US$ 15 mil. Até a tarde de sexta-feira (25), haviam sido angariados US$ 510.

“Ela era brasileira naturalizada americana, arquiteta formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro no Brasil e sempre foi muito estudiosa e dedicada. Divorciada, viveu em Miami na Flórida por cerca de 15 anos, onde conheceu seu namorado. Ana teve duas filhas com ele e foi levada para a cidade de Hartford no Maine há cerca de três anos. Longe de todo o seu círculo de amizades, minha única irmã foi assassinada dentro de casa no dia 13 de dezembro de 2018 pelo próprio namorado e pai de suas filhas. Como meninas presenciaram o crime, ele está preso e aguardando seu julgamento. Eu não sei colocar palavras na profunda tristeza que estamos vivendo em nossa família desde que a minha irmã foi (morta de forma) tão violenta e inesperada, deixando minhas duas sobrinhas de 3 e 5 anos com esse trauma e perda irreparável”, diz a postagem no GoFundMe.com.

“Em meio à essa tragédia inesperada eu precisei ir para os EUA três vezes para visitar e agilizar todos os procedimentos legais necessários para adoção (…). Eu tive vários gastos com passagens aéreas, estadia, transporte e alimentação. Precisei ficar sem trabalhar e ficar aqui para finalizar o processo. A diferença de moeda brasileira com dólar é cada dia maior. Eu já gastei até este momento aproximadamente US$ 10 mil com estas despesas, que continuam a crescer. Esta campanha tem o objetivo de me ajudar a cobrir esses gastos acima e, em memória da minha irmã, todo o valor remanescente será revertido para a educação das minhas sobrinhas. Muito obrigada a quem puder ajudar minha família”, concluiu Cíntia.

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend