Treinador de basquete acusado de pedofilia permanecerá preso em NJ

Foto4 Corey J. Pinto Treinador de basquete acusado de pedofilia permanecerá preso em NJ
Pinto foi preso na quarta-feira (6) e acusado de abuso sexual, colocar em risco o bem-estar de uma criança e a posse de pornografia infantil, entre outros delitos (Foto: NJ.com)

Corey J. Pinto, de 29 anos, é suspeito de praticar atos sexuais e fornecer drogas e álcool a jovens menores de idade

Na quarta-feira (13), foi realizada a sentença preliminar do réu Corey J. Pinto, de 29 anos, no Tribunal Superior do Condado de Middlesex, em New Brunswick (NJ). Ele é treinador de um clube de basquete no estado e foi acusado de praticar atos sexuais e fornecer drogas e álcool a menores de idade.

Durante audiência, o juiz determinou que Pinto permanecerá na prisão enquanto aguarda julgamento decorrente de mais de uma dezena de acusações, incluindo abuso sexual de um atleta menor de idade. O réu teria fornecido maconha e álcool e se envolveu em um relacionamento sexual com um jogador adolescente do time US Hoops, sediado em Red Bank (NJ), em várias ocasiões durante o ano passado, relataram as autoridades.

Pinto foi preso na quarta-feira (6) e acusado de abuso sexual, colocar em risco o bem-estar de uma criança e a posse de pornografia infantil, entre outros delitos. A promotora assistente do Condado de Middlesex, Jody Carbone, argumentou que o réu apresentava risco de fuga.

Inicialmente, o suspeito concordou em ser interrogado pela polícia, mas depois mudou de ideia e viajou de carro para a Carolina do Norte portando dinheiro e passaporte, detalhou Carbone. Pintor retornou a New Jersey voluntariamente, mas se hospedou num hotel em Edison (NJ) em vez de ir para casa.

O advogado de Pinto, Joseph Corazza, alegou que deixou o estado para buscar seu filho e não voltou para casa porque temia assédio. Ele disse que o cliente usa seu passaporte de tempos em tempos como meio de identificação. Essas afirmações não foram suficientes para convencer o Juiz Alberto Rivas de que o réu não representava risco de fuga ou ameaça para a comunidade.

“Ele está viajando com o passaporte. Isso parece um pouco estranho”, disse o Juiz. Ele acrescentou que apenas a acusação de pornografia infantil coloca a comunidade em risco.

Corazza argumentou que Pinto não era responsável por notificar a polícia se ele deixasse a área antes de sua prisão. Ele sugeriu que algumas das ofensas, incluindo a acusação de pornografia infantil, deveriam ser consideradas circunstâncias especiais, por causa do consensual e prolongado relacionamento entre seu cliente e a vítima.

O advogado de defesa também refutou as alegações de que o cliente estava em uma posição de supervisão sobre a suposta vítima. Pinto fez vídeos promocionais para o clube postar nas redes sociais e treinou apenas por um breve período, disse Corazza.

Pinto era funcionário do time US Hoops desde 2010, relatou o Ministério Público do condado de Middlesex. O clube, também conhecido como Hoops America, tem propriedades em Piscataway, South Plainfield, Metuchen e Perth Amboy, todas no Estado Jardim, de acordo com o website do time. Não foi detalhado em que locais onde treina o time Pinto trabalhou.

“O Corey não está trabalhando aqui recentemente”, disse o diretor da Hoops America, Rich Leary, em comunicado. “Ele foi suspenso de ter qualquer contato com o programa até o resultado do processo criminal”.

A próxima audiência de Pinto está agendada para 23 de dezembro.

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend