Vanessa da Mata faz show em New York City

Foto2 Vanessa da Mata Vanessa da Mata faz show em New York City
O show de Vanessa da Mata em Nova York faz parte da turnê “Caixinha de Música” nos EUA

A cantora, compositora e escritora mato-grossense se apresentará no renomado Highline Ballroom

Como parte da turnê “Caixinha de Música” nos Estados Unidos, na quinta-feira (5), a cantora Vanessa da Mata se apresentará no Highline Ballroom em New York City. As portas do teatro abrem às 7:30 pm e o show começará às 9:00 pm.

Vanessa Sigiane da Mata Ferreira, natural da cidade de Alto Garças (MT), é cantora, compositora e escritora. Ela já lançou seis álbuns e um CD/DVD ao Vivo, este último gravado em Paraty (RJ). Entre os grandes sucessos de sua discografia estão “Não me deixe só”, “Ainda Bem”, “Ai, Ai, Ai”, “Boa Sorte/Good Luck”, “Baú”, “Amado”, “O Tal Casal”, “As Palavras”, “Segue o Som”, entre outros. Seu primeiro romance, “A Filha das Flores”, foi lançado em 2013 e já teve reedições em Portugal, México e Alemanha.

Vanessa da Mata nasceu em Alto Garças, uma cidade pequena a 378 quilômetros de Cuiabá e cercada por rios. Ouviu de tudo na infância; desde Luiz Gonzaga a Tom Jobim, de Milton Nascimento a Orlando Silva. Além disso, ela ouviu ritmos regionais, como o Carimbó, dos discos trazidos das viagens de um tio à Amazônia. Ouviu samba, música caipira e até música brega italiana; sons que chegavam pelas ondas da rádio AM.

Em 1990, aos 14 anos, Vanessa se mudou para Uberlândia (MG), cidade a 674 quilômetros de distância de Alto Garças. Foi para lá sozinha, morar em um pensionato: se preparava, então, para prestar vestibular para Medicina. Entretanto, já sabia o que queria: cantar. Aos 15 anos, começou a fazer apresentações em bares locais. Em 1992, foi para São Paulo, onde se tornou integrante de um grupo feminino de reggae; chamado Shalla-Ball. Três anos depois, com 19 anos, excursionou com a banda jamaicana Black Uhuru. Em seguida, fez parte do grupo de ritmos regionais Mafuá. Neste período, ainda dividia seu tempo entre as carreiras de jogadora de basquete e modelo fotográfico.

Em 1997, com 21 anos, conheceu Chico César e com ele compôs “A força que nunca seca”. A música foi gravada por Maria Bethânia, que a colocou como título de seu disco de 1999. A gravação concorreu ao Grammy Latino e também foi gravada no CD de Chico, “Mama Mundi”. O Brasil descobria uma grande compositora. Bethânia voltou a gravar Vanessa: “O Canto de Dona Sinhá” esteve no CD Maricotinha; com a participação de Caetano Veloso e em sua versão ao vivo. Já “Viagem” foi gravada por Daniela Mercury em “Sol da Liberdade”. Com Ana Carolina, compôs “Me Sento na Rua”, do CD Ana Rita Joana Iracema e Carolina (2001). A voz e a presença de Vanessa começavam também a chamar atenção. Fez participações em shows de Milton Nascimento, Bethânia e nas últimas apresentações de Baden Powell: estava pronta para estrear em carreira solo.

Em 2015, Vanessa faz participação na música “Passarinhos” do rapper Emicida, aparecendo também em seu clipe. Em maio de 2017, a cantora confirma que no dia 27 do mesmo mês gravaria o novo DVD, “Caixinha de Música”, na casa Natura Musical, em São Paulo. A cantora explicou que a ideia partiu após ficar muito tempo sem gravar um projeto audiovisual novo, sendo o último “Vanessa da Mata (Multishow ao Vivo)”, em 2007, ainda na turnê Jardim de Perfumes de Sim. Desde então, ela lançou três CDs.

O Highline Ballroom fica localizado na 431 West 16th St., entre as avenidas 9ª e 10ª, em Manhattan (NY). A compra e reservas de ingressos para o show “Caixinha de Música” podem ser efetuadas através do website: www.BrazilinConcert.com

Related posts

Comentários

Send this to a friend