Vítima é deportada antes de testemunhar contra agressor

Foto31 Omar Hernandez Huerta e Robert Salvador Marquez Vítima é deportada antes de testemunhar contra agressor
Omar Hernandez Huerta (esq.) foi detido e deportado antes de testemunhar contra o agressor Robert Salvador Marquez (dir.)

Omar Hernandez Huerta foi brutalmente espancado por Robert Salvador Marquez, mas não pôde comparecer ao tribunal

O imigrante Omar Hernandez Huerta foi selvagemente agredido quando saiu do carro dele na cidade de Fresno (CA). O irmão dele, César, se recorda de ter recebido uma fotografia do rosto quase irreconhecível: Olhos fechados de tão inchados, uma fratura no rosto e o pescoço apoiado por suporte.

O agressor da vítima, Robert Salvador Marquez, foi preso no mesmo dia e acusado de diversos crimes. Caso fosse considerado culpado do ataque sangrento ocorrido em 10 de julho de 2017, ele poderia ser condenado a muitos anos de prisão; um desfecho que Omar estaria feliz em garantir com o testemunho dele. Entretanto, havia um problema: A testemunha estava detida pelo Departamento de Imigração (ICE) em Baskerfield (CA). Pouco depois da prisão de Marquez, Huerta também foi detido durante uma ligação bem intencionada que os pais deles fizeram à polícia e, quando ele foi liberado da Penitenciária do Condado de Fresno, os agentes do ICE estavam do lado de fora esperando por ele.

O que aconteceu nos meses seguintes depende a quem perguntar: Dois desfechos são claros: Huerta, um boia-fria de 23 anos que está para ser pai e possui um passado problemático, foi deportado em 9 de fevereiro desse ano. Já Marquez, o indivíduo que o pôs no hospital, começará na segunda-feira (19) a cumprir a pena de 2 meses no programa de trabalho voluntário no Condado.

O ICE insiste em manter que deportou um imigrante indocumentado com antecedentes criminais, mas o advogado de Huerta, Nathan Brown, rebate que as autoridades impediram a condenação de um criminoso violento de Fresno ao impedir que o cliente dele comparecesse à audiência para testemunhar contra o réu.

Nathan alega que o ICE impediu que ele testemunhasse para acelerar a deportação de seu cliente. Caso fosse permitido cooperar, a vítima poderia qualificar para o visto especial que o permitiria permanecer legalmente nos EUA. Entretanto, os antecedentes criminais de Huerta incluem dirigir intoxicado e roubo, em maio de 2016, detalhou o advogado. César relatou que, desde então, o irmão procurou ficar longe de problemas e se afastou de amigos que são “más influências”. Ele tem uma namorada firme, Anna Gomez, e trabalhava todos os dias na lavoura.

César detalhou que Omar vive atualmente na Cidade do México, um lugar que ele deixou para trás quando tinha 11 anos de idade. Ele não conhece ninguém lá, pois todos os parentes mais próximos dele vivem em Fresno. “A minha mãe não sabe o que fazer”, relatou César. “Você podia ver que ele estava mudando de vida. Ele se distanciou dos maus amigos. Ele queria fazer o melhor”.

Related posts

Comentários

Send this to a friend