Como ganhar dinheiro fácil

Abra uma empresa de prestação de serviços. Pode ser de telefonia, TV por assinatura, cartão de crédito ou qualquer outra coisa. Tanto faz. Na seqüência, crie um sistema de telemarketing e contrate meia dúzia de garotas que saibam, pelo menos, ler. Compre no mercado paralelo uma lista de telefones de clientes em potencial, escreva uma cartilha cheia de gerundismos e bote as gurias para “estar ligando” o dia inteiro.

Ofereça promoções. Todo mundo gosta de pensar que está pagando menos, mesmo que você tenha dobrado o preço do serviço e oferecido um desconto de 30%. Não precisa avisar os clientes, mas as promoções devem estar sempre vinculadas a uma armadilha chamada fidelidade. Ou seja, depois dos primeiros 3 meses de descontos o cara estará preso e amarrado aos seus serviços para o resto da vida. E pagando o dobro.

É importante convencer os incautos a aceitar o débito automático, artifício que lhe permite fazer o que bem entende sem que haja a suspensão do pagamento. Detalhe fundamental para o sucesso do empreendimento.

Assim que você tiver conquistado uma razoável carteira de clientes, pode começar a relaxar. Não se preocupe em prestar os serviços para os quais foi contratado. O mais importante é ter uma boa central telefônica com gravações para o atendimento ao consumidor. A idéia é deixar as pessoas penduradas, digitando opções no telefone, perdidas num labirinto de múltipla escolha. Seja qual for o assunto, o tempo de espera para quem liga deve ser o mais longo possível. É preciso torrar a paciência do cliente. Logo no início, ameace com uma gravação dizendo: “nosso tempo de espera está elevado…”. Isso já elimina metade das ligações.

Quem insistir, deve passar por um interrogatório rigoroso que inclui números de RG, CPF, CEP, telefone residencial e data de nascimento. É a arte da embromação, um esquema capaz de sustentar uma chamada ad infinitum. Mas se alguém cumprir todas as tarefas dessa gincana e quiser ser atendido, não tem jeito. Uma de suas garotas terá que recitar o capítulo de tele-atendimento da cartilha e prometer que “vai estar providenciando”, “vai estar transferindo”, “vai estar” fazendo um monte de coisas. Mesmo que não faça.

Para o caso extremo de aparecer um chato, aquele tipo de sujeito que perde horas no telefone, leva tudo às últimas conseqüências e não desiste nunca, há um recurso infalível que é deixar cair a ligação.

E por aí vai. Se precisar de um sócio, me liga.

Related posts

Comentários

Send this to a friend