O dedão opositor

dedao 002 O dedão opositorTô ficando velho. Não consigo me adaptar a essa mania de escrever mensagens no celular com o dedão. Eu sou do tempo da datilografia, quando uma das principais virtudes do ser humano era saber usar a máquina de escrever com os dez dedos. Máquina de escrever era uma espécie de computador que ia imprimindo enquanto você digitava.

Sem a possibilidade de “delete”. Se você errasse uma letra, precisava disfarçar com um negócio chamado corretivo — tipo um esmalte branco de unhas — e esperar secar. Ao mesmo tempo, essa máquina, hoje considerada obsoleta, tinha a grande vantagem de poder funcionar sem energia. Quer dizer, sem energia elétrica, porque a quantidade de calorias necessárias para escrever uma página datilografada era enorme. Há uma teoria que associa esse esforço físico ao perfil esbelto das secretárias da época. Não sei.

Naquele tempo, a técnica de usar apenas um ou dois dedos para escrever era conhecida como “catar milho”. Hoje, com os smartphones a gurizada escreve o dia inteiro apenas com o dedão. Alguma coisa está mudando radicalmente. O mundo que eles estão construindo vai ser muito diferente do nosso. O que, confesso, me dá alguma esperança. Só não consigo entender como vai ser melhor se usam apenas um dedo, quando poderiam estar usando dez.

É bem verdade que o dedão é um dedo especial, é o nosso polegar opositor. É o principal órgão do corpo humano, depois do órgão sexual.

É por causa dele que o mundo é mundo. Toda a história da humanidade é uma consequência desse pequeno detalhe anatômico, um dedo opositor, que nos permite agarrar as coisas, seja um copo ou a mulher amada. E isso fez toda a diferença. O homem começou a construir ferramentas, objetos, máquinas e smartphones.

Com a retomada da valorização e da supremacia do nosso dedo histórico, essa nova geração talvez consiga fazer o que não conseguimos com o democrático uso dos dez dedos. Vamos ver. Eu sei que certos dedos não servem pra quase nada e acabam sendo menosprezados. É o caso do mindinho. Fica ali pendurado, esperando alguma chance de mostrar serviço. Acontece que, mesmo que seja um trabalho menor, ele precisa ser reconhecido, é uma questão de autoestima.

Essa gurizada que adora o polegar vai ter que concordar comigo pelo menos em uma coisa: não dá pra tirar meleca do nariz com o dedão.

Related posts

Comentários

Send this to a friend