Soprômetro 

bafo Soprômetro Um amigo meu, cujo nome prefiro omitir, foi pego na blitz da Lei Seca no Rio de Janeiro. Era sexta feira, de madrugada, exatamente o horário em que a Polícia Militar costuma montar sua operação para pegar os motorista que insistem em dirigir embriagados. Aliás, iniciativa que tem dado ótimos resultados, diminuindo o número de acidentes de trânsito.

Meu amigo estava com os olhos vermelhos, segundo ele de cansaço. Tinha ido deixar a filha numa festa na Marina de Glória e andava sofrendo de labirintite. Não sei, não posso dizer nada. Só sei que ele tem um comportamento instável e toma comprimidos tarja preta para equilibrar seus distúrbios emocionais. Bem, é possível também que ele tenha fumado alguma coisa não permitida por lei. É possível, não sei. Mais do que isso é especulação. Só tenho o depoimento dele, que pode ser fantasioso. O resto li nas revistas.

Ao ser parado na blitz, abriu a janela do carro e falou: “não sei se você está me reconhecendo, eu sou o fulano de tal, cantor da MPB… e não bebo”. O policial, que era mais chegado ao pagode, desconsiderou as credenciais do artista e fechou a cara: “documentos do veículo, por favor”.

Meu amigo ficou enfurecido e desceu do carro gritando: “eu já falei que não bebo, cara!!!”. Como se fosse uma ordem para ser liberado. “Pra que essa palhaçada?”. Foi escoltado por 3 policiais até o bafômetro para fazer o teste. Ao ser apresentado ao tubinho de plástico descartável, abriu a boca e, meio de longe como se aquilo fosse um microfone, soltou um som gutural: “Haahh!!!”, imaginando que seu hálito seria o suficiente para fazer funcionar o equipamento. As pessoas na volta caíram na risada.

Percebendo que tinha feito algo de errado, botou o canudo na boca e começou a chupar. O policial, às gargalhadas, se deu conta que teria que passar instruções ao cantor desmiolado. “Meu senhor, esse tubo não é pra chupar, é pra soprar”.

Foi aí que ele, completamente irritado, chegou à brilhante conclusão: “então isso não é um bafômetro, é um soprômetro!”.

Não sei que outras barbaridades ele aprontou. Não devem ter sido poucas, pois foi algemado e encaminhado à delegacia por desacato à autoridade. No dia seguinte, seu advogado leu uma nota dizendo que tudo não passou de um mal entendido e que as notícias que correram foram um exagero dos sites de fofoca. Então tá.

Related posts

Comentários

Send this to a friend