Vários causos e uma causa

fala Vários causos e uma causaQue a língua portuguesa é difícil
diz todo bom brasileiro
e é pouca gente que fala
o português verdadeiro
mas para criar palavras novas
o nosso povo é pioneiro

Negócio de engolir sílabas
disso nem vou falar
o mais comum é mudar palavra
por não saber pronunciar
fabricando palavras novas
que até dá gosto escutar

Vou mostrar alguns exemplos
contados com sinceridade
alguns eu presenciei
os outros sei que são verdade
pois ouvi de gente íntegra
pessoas de responsabilidade

O primeiro caso eu assisti
na farmácia de Zenon Ferreira
na rua Beagá em Itaobim
progressista cidade mineira
uma moça procurou um remédio
que não existe na prateleira

SUPORITO DE BUCETINA
foi o remédio que ela procurou
por mais que ela repetisse
o farmacêutico não decifrou
descontente ela foi embora
mas em instantes voltou

Trazia um papel na mão
meio molhado pela neblina
onde a patroa havia escrito
com a sua letra fina
que o remédio que ela queria
era supositório de Bismucetina

O segundo foi um erro grave
e uma correção inteligente
aconteceu em Ponto dos Volantes
no meio de muita gente
na fazenda de Afonso Martins
e eu estava de corpo presente

Eram cinco horas da tarde
e o povo todo reunido
na varanda da casa grande
falando de eleição e partido
quando chega o negro Zuíno
e vai fazendo o seu pedido:

“Eu vim aqui seo Afonso
porque já tá escurecen
eu vou lá no armazém
e por isso estou queren
que o senhor me dá o dinheiro
pra eu comprar o COZOREN”

Durou mais de um minuto
o tempo da gargalhada
Zuíno também riu muito
mas não entendia nada
dona Dominga foi quem consertou
a palavra que estava errada

Dona Dominga, uma velha forte
boa rezadeira de novena
riu mais do que todos nós
e corrigiu a palavra pequena
“Meu Deus, um homem dessa idade
num aprendeu falar CRIOZENA”

O terceiro foi numa tabela
encontrada numa barbearia
Juremar Gazzineli foi quem viu
e me contou em uma folia
depois de umas duas cervejas
no meio de uma cantoria

Foi numa vila em Jacinto
assim me contou Juremar
que ele ficou conhecendo
a Barbearia Popular
instalada num quarto pequeno
com duas cadeiras pra trabalhar

Na parede a tabela de preços
bem bordada como um selo
bem escrito em maiúsculo
as letras feitas com zelo
o preço do FAÇUME DE BARBA
e do CORTUME DE CABELO

Para finalizar conto um caso
do qual achei muita graça
para botar nome em boteco
o sujeito tem que ter raça
só não pode é ofender
quem entra e bebe cachaça

Xodó é um amigo meu
uma excelente criatura
foi ele quem me contou
eu sei que é verdade pura
pois Xodó entende de boteco
mais que general de ditadura

Foi em Medina que ele descobriu
uma bodega bem caprichada
pois vendia todo tipo
de cachaça temperada
erva-doce, boldo, angico
losna, figo e noz-moscada

Tem cachaça com canela
com mel e com jindiroba
tem também uma sinuquinha
onde o bom jogador esnoba
meu amigo Xodó garante
que o bar se chama FROXA TOBA.

Related posts

Comentários

Send this to a friend