Um compositor maior

Capa CD Vitor Ramil Campos Neutrais Um compositor maiorVitor Ramil, com apoio parcial de recursos obtidos através de financiamento coletivo na internet, lançou Campos Neutrais (selo Satolep – Pelotas, sua terra natal, escrito de trás para frente). O CD, que traz quinze composições inéditas e um songbook homônimo (lançamento simultâneo), foi todo produzido por ele. Do repertório, oito músicas são só de Vitor; as outras sete ou são fruto de parceria ou de poetas de quem ele musicou os versos.

Vitor canta e toca violões; Santiago Vazquez, percussão e batera. Com arranjos de Vagner Cunha, o Quinteto Porto Alegre de sopros, destaque em todas as quinze faixas do álbum, conta com Elieser Fernandes Ribeiro e Tiago Linck (trompete), Nadabe Tomás (trompa), José Milton Vieira (trombone) e Wilthon Matos (tuba). E mais as participações especiais de Gutcha (sobrinha de Vitor), Zeca Baleiro e Chico César, além do guitarrista Felipe Zancanaro e do violonista Carlos Moscardini.

No álbum, sente-se a evolução da estética musical de Vitor, aquela que ele nomeou “Estética do Frio” – quando, na gelada Pelotas do Rio Grande do Sul, ele forjava o som que embutia inusuais belezas harmônicas e poéticas. Sempre mutante, ali ele já desdenhava da resignação, prima-irmã da caretice.

A voz de Vitor se parece com a de Caetano Veloso. Nunca o ouvi dizer que tem algum grilo com essa parecença. Até porque, penso eu, cantar parecido com Caetano é como ostentar uma medalha de ouro no peito.

Contudo, no CD atual essa semelhança aumentou. E isso se nota desde a primeira faixa, “Campos Neutrais” (VR), que nomeia o CD. Ali Vitor expõe agudos e falsetes com a finura de um corte na pele com papel. Desde a intro, com um berimbau tocado com arco, as percussões criam o clima para deixar claro que Vitor e seu violão não estão para brincadeira. O quinteto de sopros toca um arranjo arrasador, com destaque para a tuba e para um intermezzo de arrepiar.

“Satolep Fields Forever” (VR) tem o quinteto de sopros desde a intro, em nova e brilhante participação. A percussão varia sons. Vitor canta firme.

“Labirinto” (VR e Zeca Baleiro) tem levada lenta, com acordes dos sopros marcando o tempo nos finais de alguns compassos.

“Se Eu Fosse Alguém (Cantiga)”, poema de António Botto, musicado por Vitor, tem Gutcha (sua sobrinha) cantando a bela melodia à capella.

“Isabel”, feita para sua filha, tem apenas Vitor cantando repetidamente o trecho, “Livre, Isabel é livre”. Amoroso.

Outra declaração de amor vem em “Ana”, de Bob Dylan, que na versão de Vitor, virou Sara, sua mulher. Sensibilidade.

“Hermenegildo” (VR) fecha a tampa. A letra justifica o arranjo com repetições da harmonia e a força da percussão.

Hoje, melodias e harmonias de Vitor intensificam referências às músicas árabe, ibérica e nordestina, numa enriquecedora confraternização musical. Água e fogo seguem vestindo e lambendo suas crias, enquanto os versos, corrompendo linguagens estereotipadas, desaguam em frescor singular.

Eis Vitor Ramil, um compositor maior!

Aquiles Rique Reis, vocalista do MPB4

Related posts

Comentários

Send this to a friend