Falso agente do ICE extorquiu US$ 70 mil de indocumentados

Foto2 Michael Anthony Ruiz 821x1024 Falso agente do ICE extorquiu US$ 70 mil de indocumentados
Michael Anthony Ruiz, de 53 anos, fingia ser agente do ICE e descobria novas vítimas através do boca-a-boca

Michael Anthony Ruiz está detido, sem direito à fiança, no Centro de Detenção do Condado de Greenville (SC)

No final de 2016, o Departamento de Polícia de Greenville (SC) juntou-se à Força Tarefa do Setor de Investigações do Departamento de Segurança Nacional (HSI) na investigação de crimes relacionados ao tráfico humano. Em meados de janeiro de 2017, o agente encarregado no caso começou a receber denúncias sobre possíveis vítimas de tráfico humano. Uma investigação posterior levou rapidamente os investigadores a Michael Anthony Ruiz, de 53 anos, morador em Greenville (SC).

Os detetives descobriram que Ruiz se apresentava aos estrangeiros indocumentados como agente do Departamento de Imigração (ICE), portanto, podendo ajuda-los a regularizar o status migratório e prover documentos legais em troca de dinheiro. A investigação revelou que Ruiz, que era apresentado às vítima através de boca-a-boca, extorquiu mais de US$ 70 mil de 6 pessoas com ações fraudulentas.

Atualmente, Ruiz está detido, sem direito à fiança, no Centro de Detenção do Condado de Greenville e enfrenta as seguintes acusações: Quatro acusações por tráfico humano, quatro acusações por chantagem e extorsão, quatro acusações por obter assinatura ou propriedade através de declarações falsas, quatro acusações por fingir ser uma autoridade para extorquir dinheiro, uma acusação por fingir ser uma autoridade, duas acusações de fraude financeira, alteração de venda de licença fictícia e uma acusação de conspiração.

Ruiz havia sido liberado da penitenciária em New Jersey em setembro de 2016, após servir a sentença de 7 anos por enganar imigrantes ao posar como agente de imigração e dizer-lhes que poderia ajuda-los a se legalizarem ou trazer parentes aos EUA.

. Política de Trump encoraja falsários:

Tais tipos de esquemas já existem há muito tempo, mas tem ocorrido uma avalanche deles desde que Donald Trump foi eleito presidente dos EUA tendo como base o combate e a deportação dos imigrantes indocumentados. Em fevereiro, o Departamento de Polícia de Lynn (MA) alertou os imigrantes depois que uma família denunciou que recebeu uma ligação telefônica de uma pessoa informando que agentes do ICE realizariam uma batida na residência se não fosse enviada uma determinada quantia de dinheiro via remessa.

Em Illinois, as autoridades investigam denúncias de cerca de 10 moradores equatorianos em Chicago que denunciaram uma mulher que finge ser advogada tem contatado as pessoas através de mensagens de texto e o Facebook. Ela alerta falsamente às pessoas de que possuem um caso de imigração pendente e exige dinheiro para vistos e impostos.

Com a crescente ansiedade decorrente dos esforços de Trump em deter e deportar aceleradamente os indocumentados, “os golpistas estão mais que nunca”, disse o vereador de New York City, Jimmy Van Bramer, democrata do Distrito de Queens, onde vivem uma grande concentração de imigrantes latinos.

As vitimas dos golpes tendem a não denunciar os estelionatários, pois temem expor à polícia o status migratório. Isso dificulta a investigação de tais golpes ou avaliar o quanto eles são comuns.

“É muito difícil persuadir as pessoas, especialmente agora, se expor e preencher uma queixa”, disse Raluca Oncioiu, diretora de serviços migratórios do Catholic Services.

A Procuradoria Geral de Nova York, Catholic Charities e o ICE encorajaram os imigrantes a denunciarem tais golpes. Semana passada, a Procuradoria Geral emitiu um alerta conscientizando as pessoas para que não caiam em tais esquemas.

Os agentes verdadeiros do ICE “nunca pedirão dinheiro ou ameaçarão de prisão e deportação se você não pagá-los”, alerta o comunicado.

Talvez, um dos exemplos mais escabrosos ocorreu em Nova York, em março, quando uma mulher ligou para o escritório de Van Bramer relatando que 4 indivíduos trajando coletes do ICE aproximaram o esposo dela numa rua de Queens e disseram-lhe que o levariam preso, a menos que ele entregasse-lhes todo o dinheiro que portava. A vítima entregou-lhes US$ 250. O casal lesado tem resistido aos pedidos de ajudar a polícia a encontrar os indivíduos.

“Eu penso que há muito medo e vergonha sobre o que aconteceu”, disse o vereador. “Eles (o casal) ligaram porque queriam que as outras pessoas soubessem disso, portanto, para que isso não aconteça com os outros (indocumentados)”.

As autoridades encorajaram mais possíveis vítimas de Ruiz a contatarem o Departamento de Polícia de Greenville através do tel.: (864) 271-5333 ou e-mail: [email protected]

 

 

Sobre o autor

O jornalista Leonardo Ferreira é formado em Comunicação Social pelas Faculdades Integradas Hélio Alonso – FACHA, sediada no Rio de Janeiro - RJ.

Related posts

Comentários

Send this to friend