Pastor Feliciano quer impeachment de Mourão

Foto21 Marco Feliciano e Hamilton Mourao Pastor Feliciano quer impeachment de Mourão
“(Eu) Pedirei o impeachment de Mourão (dir.), a quem recuso chamar de general, já que foi eleito como civil”, disse Feliciano (esq.)

O deputado federal acusa o vice-presidente do Brasil de ter agido de forma “indecorosa” e “indigna” durante a visita aos EUA

O pastor evangélico e deputado federal, Marco Feliciano, decidiu apresentar um pedido de impeachment contra o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão. O político e líder religioso alegou que Mourão cometeu atos “indecorosos” e “indignos” ao fazer parte de uma série de palestras nos EUA durante as quais foi argumentado que o Brasil enfrenta várias crises graças à administração do Presidente Jair Bolsonaro (PSL).

“Não aceito conspiração para derrubar meu presidente. Pedirei o impeachment de Mourão, a quem recuso chamar de general, já que foi eleito como civil, por quebra de decoro e por ser um Judas no apostolado de Bolsonaro”, disse Feliciano.

Caso ocorra, essa será a primeira vez na história do Brasil que um vice-presidente receberá um pedido de impeachment e, pelo aspecto político, a possibilidade de que isso ocorra é quase zero.

. Visita aos EUA:

Na sexta-feira (5), Mourão participou do encontro organizado por estudantes brasileiros da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Além disso, no sábado (6), o vice-presidente se reuniu com imigrantes moradores em Massachusetts. Nesse mesmo dia, ele se encontrou com Roberto Mangabeira Unger, professor da Harvard. Posteriormente, Hamilton viajou para Washington (DC), onde participou em eventos realizados em centros de pesquisas.

. Saia justa:

Calcula-se que atualmente vivam cerca de 1.5 milhão de brasileiros nos EUA, sendo uma considerável parte deles de forma indocumentada. Em visita aos EUA e durante uma entrevista ao canal de TV Fox News, o Presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse ao apresentador que “a grande maioria dos imigrantes em potencial não tem boas intenções e nem quer fazer o bem ao povo americano”. Posteriormente, devido à repercussão negativa, ele desculpou-se pelo comentário polêmico. “Boa parte tem boas intenções, a menor parte não. Peço desculpas”, consertou.

Outro que gerou polêmica durante a visita aos EUA foi o Deputado Federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do Presidente, ao declarar que os imigrantes irregulares são uma “vergonha nossa”. O comentário também gerou mal-estar, fazendo com que ele também se desculpasse.

“A declaração foi para dizer que o Brasil tem responsabilidade com seus nacionais e não vai ficar permitindo a entrada de brasileiros em qualquer lugar que não seja de maneira legal”, corrigiu o deputado, mas sem explicar como isso poderia ser feito.

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend