Aluno de Harvard deportado é autorizado a entrar nos EUA

Foto8 Ismail Ajjawi Aluno de Harvard deportado é autorizado a entrar nos EUA
“Eu disse a ela (agente) que não deveria ser responsável pelo o que as outras pessoas postam”, relatou o estudante calouro Ismail Ajjawi (Foto: AMIDEAST)

O calouro Ismail B. Ajjawi, de 17 anos, foi barrado no Boston Logan International Airport, em 26 de agosto

Um estudante calouro da Universidade de Harvard que foi deportado ao Líbano em agosto, devido à postagens nas redes sociais, chegou à instituição de elite pouco antes do início das aulas, na terça-feira (3), informaram parentes do jovem. A família de Ismail B. Ajjawi disse que o palestino de 17 anos chegou na segunda-feira (2) a Cambridge, após ter sido barrado de entrar nos EUA no Boston Logan International Airport, em 23 de agosto. O incidente ocorreu depois de uma busca feita no telefone celular dele por um agente do Departamento de Alfândega & Proteção na Fronteira (CBP), publicou o jornal Harvard Crimson.

“Os últimos 10 dias têm sido difíceis e repletos de ansiedade, mas estamos gratos pelas milhares de mensagens de apoio e particularmente pelo trabalho da AMIDEAST”, disse a família de Ajjawi os periódico universitário, agradecendo a ONG que proporcionou ao jovem uma bolsa de estudo integral. “Nós esperamos agora que todos respeitem a privacidade do Ismail e a nossa e que ele possa simplesmente focalizar em se ajustar à universidade e nos trabalhos importantes das aulas”.

O adolescente relatou que foi interrogado durante várias horas por agentes de imigração sobre as postagens dos amigos dele nas redes sociais e as práticas religiosas dele no Líbano, antes de ter sido informado que o visto dele seria cancelado. Então, ele foi embarcado num voo de volta para casa apesar de insistir que nunca fez ‘postagens políticas’ que se opusessem as políticas dos EUA, disse ele ao Crimson.

“Eu respondi que não tinha nada a ver com aquelas postagens e que eu não gostava, compartilhava ou comentava sobre isso e disse a ela (agente) que não deveria ser responsável pelo o que as outras pessoas postam”, disse Ismail. “Eu não possuo uma postagem sequer em minha página discutindo política”.

Na ocasião, o porta-voz do CBP detalhou que os agentes consideraram Ajjawi “inadmissível” nos EUA, mas não teceram detalhes. A Embaixada dos EUA em Beirute reemitiu o visto do estudante depois de reavaliar o caso, permitindo-lhe chegar ao campus em Massachusetts pouco antes do início das aulas, informou o AMIDEAST.

“Ismail chegou ao Boston Logan International Airport nesta tarde, foi aceito e está agora em Cambridge”, detalhou a ONG. “Além disso, nós expressamos a nossa gratidão às muitas vozes na mídia e público em geral, tanto nos Estados Unidos quanto no exterior, que reconheceram a injustiça daquilo que aconteceu ao Ismail e ecoaram suas preocupações na mídia tradicional e redes sociais”.

Mais de 7 mil pessoas assinaram uma petição organizada por vários grupos estudantis em Harvard em apoio a Ajjawi, segundo o Crimson. Um advogado do adolescente, que planeja estudar química e biologia física em Harvard, disse que conseguir que Ismail retornasse ao solo dos EUA para pudesse estudar através de uma bolsa de estudos integral é uma “das vitórias mais gratificantes” dos 35 anos dele trabalhando com leis de imigração.

“Trata-se de uma estória triste e clássica com um final excepcionalmente único e feliz”, concluiu o advogado Albert Mokhiber.

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend