NJ: lei que cancela religião como razão para não vacinar ganha mais apoio

Foto12 Vacinacao infantil NJ: lei que cancela religião como razão para não vacinar ganha mais apoio
No ano letivo de 2015-16, 9.506 estudantes foram isentos de vacinação em New Jersey

Os legisladores estaduais disseram que estavam a 1 voto dos 21 necessários para aprovar a lei controversa no Estado Jardim

O Senado Estadual conseguiu votos suficientes para aprovar o projeto de lei que elimina a religião como uma razão reconhecida para as crianças não serem vacinadas. A liderança de votos ocorreu quase um mês depois que uma multidão de pais revoltados invadiu a sede do Estado em Trenton (NJ).

Antes da aprovação da lei, no entanto, ela será alterada para conceder às escolas e creches privadas a liberdade de aceitar crianças não vacinadas, desde que elas informem publicamente a contagem de quantos matriculados não são vacinados. Espera-se que o Senado aprove a emenda durante uma votação no plenário ainda nessa semana. Centenas de manifestantes se reuniram em frente à sede do Governo em Trenton, aguardando notícias sobre o que poderá ocorrer. Anteriormente, o Senado adiou o dia 16 de dezembro, a última sessão antes do Natal e do Hanukkah, sem votar. Os legisladores estaduais disseram que estavam a 1 voto dos 21 necessários para aprovar a lei controversa.

Um republicano, o senador Declan O´Scanlon, concordou em dar ao Senado controlado pelos democratas a votação final necessária, segundo fontes. Espera-se que todo o Senado e a Assembleia votem no projeto de lei revisado (S2173) na segunda-feira (13). Caso seja aprovada, a proposta tende a provocar o confronto com potencialmente milhares de pais e líderes religiosos que inundaram os escritórios dos parlamentares com telefonemas e e-mails durante o último mês.

Os surtos de sarampo em New Jersey e em outros estados convenceram os líderes legislativos a examinar mais de perto o crescente número de crianças isentas de vacinação por motivos religiosos. Havia 13.987 estudantes que receberam isenção religiosa no ano acadêmico de 2018-19, de acordo com o Departamento de Educação. No ano de 2015-16, 9.506 estudantes foram isentos.

New Jersey exige apenas uma carta dos pais citando a isenção religiosa para as escolas e creches concedê-las. Pediatras e profissionais de saúde pública argumentaram que a isenção é realmente filosófica porque apenas os cientistas cristãos se opõem às vacinas, como acontece com a maioria das intervenções médicas.

Muitos oponentes afirmam ter optado por não participar, porque o tecido embrionário extraído de fetos abortados na década de 1960 é usado para fazer as vacinas contra o sarampo, caxumba e rubéola (MMR). Outros disseram desconfiar das indústrias médica e farmacêutica e dizem que Deus criou seus corpos fortes o suficiente sem vacinas. Eles alegam que a medida viola os direitos da Primeira Emenda.

Se o Senado finalmente aprovar a proposta, caberá ao governador Phil Murphy, um democrata, decidir se o assina ou veta. A lei entrará em vigor 6 meses depois que ele assinar. New Jersey seria o 6º estado a aprovar lei similar. Atualmente, Califórnia, Maine, Mississippi, Nova York e West Virgínia eliminaram as isenções religiosas.

Questionado sobre a medida durante um evento não relacionado em Saddle Brook (NJ) no mês passado, Murphy não quis dizer se a assinaria. Em vez disso, ele disse que “a segurança de todos os 9 milhões de residentes é prioridade número 1 para mim e, em particular, os nossos filhos”.

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend