A tuna do Klebér

kleberq A tuna do KlebérHá mais ou menos 40 anos, Klebér, meu pai, trouxe do Taim uma tuna exótica e plantou em um dos canteiros de nossa casa, na rua Dr. Amarante, em Pelotas. Tempos depois, como ele e Dalvinha estavam de mudança para um apartamento, carregou aquele cactus enrugado e replantou na frente do edifício M. A. Ramil, onde o fenômeno foi crescendo de forma assustadora e hoje já atinge 3 andares.
A tuna do Klebér é uma planta estranha, que evolui de maneira desordenada e ameaçadora, como se fosse um desses bichos alienígenas que aparecem no cinema. É um ser esquisito, um sobrevivente da obscura fronteira entre os reinos vegetal e animal. E mais, vem de uma região suspeita, onde o governo inclusive já estabeleceu uma Reserva Ecológica para observar a natureza e preservar animais da extinção, como a capivara, o maçanico e o ratão do banhado. Isso sem falar dos moradores da Praia do Hermenegildo, que estão sendo engolidos pelo mar.
Voltando à tuna. Seguindo a tradição da família de espalhar pelo mundo o tal espécime – iniciativa que já levou mudas para Porto Alegre, Barcelona, Remanso e Balneário Santo Antônio – um braço do excêntrico cactus foi trazido por mim e plantado no município do Rio de Janeiro, mais precisamente no Jardim Dona Mocinha, de minha propriedade.
A viagem foi tranqüila, sem maiores sobressaltos, a não ser no momento em que o bicho, quer dizer, a planta passou pelo raio X do aeroporto e teve uma manifestação de desconforto. Na dúvida, o pessoal da segurança chamou o agente sanitário que, sem saber como classificar aquilo, deu de ombros e permitiu o embarque. Portanto, que fique aqui registrado: entrei no espaço aéreo brasileiro e no Estado do Rio de Janeiro, com a devida autorização do Governo Federal, através de seus órgãos competentes.
Espero não ter surpresas por aqui. O histórico das operações anteriores é o melhor possível, ou seja, a coisa cresce, mas não acorda. Não houve até hoje nenhum relato de violência envolvendo a tuna do Klebér. Pelo contrário, até mesmo manifestações de deslumbramento com suas flores sazonais têm sido registradas. Mas enfim, nunca se sabe.
Sinceramente, minha única preocupação é que aconteça alguma mutação genética, causada pelo contato desse corpo alienígena de baixa temperatura, com o clima tropical. Confesso que não sei o que pode vir por aí, eu não entendo nada de botânica. Ou será biologia?
Vou ficar quieto, observando. Se o bicho acordar, eu aviso.

Related posts

Comentários

Send this to a friend