Juiz bloqueia US$ 1 bilhão de verba para construção de muro na fronteira

Foto19 Muro na fronteira Juiz bloqueia US$ 1 bilhão de verba para construção de muro na fronteira
Atualmente, as obras ocorridas na fronteira são de substituição de barreiras já existentes e não a construção de um muro novo

A decisão judicial citou a tentativa do Poder Executivo de “contornar” o Congresso como motivo para bloquear os fundos

Um juiz federal da Califórnia impediu que o governo Trump usasse US$ 1 bilhão desviado de contas militares, incluindo fundos de pensões, para iniciar a construção de um muro na fronteira com o México. O magistrado não determinou a legalidade do desvio de outros US$ 3,6 bilhões dos fundos de construções militares; orçados como parte de uma declaração nacional de emergência, uma vez que o governo ainda não identificou um plano final para usar esses fundos.

A construção do muro estava marcada para começar já no sábado (25). A decisão judicial citou a tentativa do Poder Executivo de “contornar” o Congresso como motivo para bloquear os fundos.

Concedendo ao Sierra Club e à Coalizão de Comunidades Fronteiriças uma liminar, o Juiz Distrital dos EUA Haywood S. Gilliam escreveu: “A posição de quando o Congresso recusa a solicitação do Executivo para fundos apropriados e o Executivo pode simplesmente encontra uma maneira de gastar esses fundos sem a permissão do Congresso não se enquadra nos princípios fundamentais da separação de poderes que remontam aos primeiros dias da nossa República”.

“O caso não é sobre se o plano de construção de uma barreira de fronteira é sábio ou insensato”, escreveu Gilliam. É sobre como o governo estava planejando financiá-lo, explicou ele.

A União Americana das Liberdades Civis (ACLU), que entrou com a ação judicial em nome do Sierra Club e da Coalizão das Comunidades Fronteiriças do Sul, celebrou a decisão. O grupo até postou sarcasticamente um vídeo no Twitter do Presidente Donald Trump repetidamente prometendo construir o muro.

“Esta é uma vitória para o nosso sistema de verificação e equilíbrio, o estado de direito e as comunidades fronteiriças”, disse a ACLU em um comunicado. “O tribunal bloqueou todos os projetos do muro atualmente previstos para construção imediata”.

“Se a administração Trump começar a desviar ilegalmente fundos adicionais, voltaremos aos tribunais”, acrescentou a ONG.

Gilliam, que foi indicado pelo então Presidente Barack Obama em 2014, citou especificamente a frustração de não ser suficiente para ir contra a função “essencial” de “nosso sistema constitucional”.

“O controle ‘absoluto’ do Congresso sobre os gastos federais; mesmo quando esse controle pode frustrar os desejos do Poder Executivo em relação a iniciativas que ele considera importantes, não é um erro em nosso sistema constitucional. É uma característica desse sistema e essencial”, Escreveu Gilliam.

Trump fez do muro na fronteira a base principal de sua campanha política e agora de seu governo. Ele declarou emergência nacional em 15 de fevereiro como um meio de obter verba para o muro, após não ter conseguido aprovar uma lei no Congresso que liberasse dinheiro para a construção.

Na segunda-feira (20), durante um comício na Pensilvânia, Trump disse que o muro estava “sendo construído enquanto falamos” e afirmou que “quase 500 milhas” serão erguidas até o final de 2020. No entanto, essa construção estava baseada em vencer a batalha judicial e as obras atuais são para substituição de barreiras já existentes e não a construção do muro.

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend